Iugu (www.iugu.com) foi meu segundo investimento como anjo nos idos de 2016.

À época, já estava muito clara a necessidade de startups e empresas em geral adicionarem uma camada de serviços – recorrência na cobrança, integração via APIs e split payments e subcontas, cofres seguros com dados de cartões de crédito. Enfim, ir além do bom e velho boleto, ou a interfaces ultrapassadas de arquivos de cobrança / remessa disponibilizadas pelos Bancos tradicionais.

Desde então, Smart Money e investidores seletos em rodada privada e fechada, liderados por mim e César, participaram também do series A e, conforme anunciado hoje no Brazil Journal, do series B liderado pela Goldman Sachs. Tal rodada vem na esteira da licença emitida pelo Bacen para a empresa atuar como Instituição de Pagamento, conforme noticiado no Valor Econômico na semana passada.

Um pouco de contexto: Iugu hoje é uma sub-adquirente, e como tal pode processar cobranças por cartão e boletos (menor taxa do mercado), além de uma camada de serviços adicionais de automação,  recorrência, split payments e subcontas, somado a um conjunto de APIs (interfaces de software) inigualável para infraestrutura de banking-as-a-service. Como Instituição de Pagamentos, esse escopo de serviços se amplia consideravelmente, podendo incluir serviços financeiros para empresas que contemplem conta PJ, cartão e ferramentas de envio de recursos, incluindo TEDs e, em breve, Pix.

A empresa se junta a um clube seleto: apenas outras 25 instituições receberam até hoje a licença Bacen, entre elas gigantes como Stone, Cielo, Pagseguro, Nubank, Redecard e Paypal. Num cenário aquecido em que quase todo mundo é (ou tentar ser) uma fintech, poucas são aquelas que efetivamente se organizam e estruturam dentro das rígidas regras e mecanismos do Banco Central, permitindo portanto escalabilidade e captura de valor dentro do ecossistema financeiro regulado.

O ecossistema financeiro passa por uma verdade disrupção em múltiplas frentes, do regulatório (Pix) à digitalização, desintermediação e inovação no leque de serviços e ofertas propiciado pelas fintechs, tais como Iugu. Embora a frente B2C de bancos digitais – a la Nubank, Inter, C6 e Neon -seja a mais visível a usuários finais e nos headlines de rodadas bilionárias, é o B2B – empresas, plataformas, marketplaces -guarda consigo enorme volume financeiro e ainda maiores dores (e oportunidades) na gestão de recebíveis, integração com legado, ganho de produtividades, pagamentos, cartões white label e uma miríade de serviços financeiros que têm o potencial de efetivamente substituir por completo bancos tradicionais.

Iugu está, literalmente, apenas no começo, e a rodada de Goldman e a licença do Bacen são etapas importantes na jornada para simplificar, baratear e automatizar o dia a dia financeiro de empresas e plataformas.

Para Smart Money Ventures, esse é também um milestone importante, ao comprovar nossa tese de investimentos early stage, em pré/seed e também a participação em rodadas subsequentes, dobrando a aposta nas startups do portifólio que ganham tração e conquistam novas injeções de capital para objetivos ainda maiores. Mais do que a validação do nicho em si, tal rodada valida nossa premissa de que é possível – e necessário – no pre/seed, um cuidadoso processo de atração, análise, validação, seleção – a que se denomina dealflow – de startups de qualidade, com times de fundadores de calibre, produtos / serviços lançados, receitas existentes e crescente (tração), diferenciais competitivos e mercado endereçavel. Para que, daí, se possa agregar valor no seu crescimento (capital e smart money ;-), ao invés de apenas fazer o cheque e rezar (“spray and pray“).

Estamos empolgados e felizes pela oportunidade de poder investir, apoiar, reinvestir e, acima de tudo, acompanhar de perto o crescimento e maturidade de Iugu e tantas outras startups no portifólio.

Obrigado, e parabéns !, ao excepcional time de Iugu, atual e também que estiveram desde a rodada de pre/seed – Patrick Negri, Marcelo Paez, Rosi Rodrigues, Renato Fairbanks, Guilherme Lopes, Julio Macedo e tantos outros valiosos colaboradores.